Quem Somos

A ContactONE nasceu com a ideia de revolucionar o segmento de tecnologia, com mais agilidade no atendimento, permitindo assim maior rapidez e dinamismo combinados com conveniência, para garantia da satisfação do cliente.

A empresa oferece um portfólio com soluções de tecnologia, no qual se destaca a inovação e performance, e com os resultados obtidos para garantir o sucesso de nossos clientes e parceiros.

Para isso, a ContactONE conta uma equipe técnica extremamente capacitada e altamente qualificada, para que sempre esteja um passo à frente no mercado.

Liderada por executivos e empreendedores, os projetos entregues continuamente superam qualquer expectativa.

 

Inteligência Artificial

Desde que o engenheiro David Hanson criou Sophia, em 2015, um dos projetos de Inteligência Artificial que mais mexeram com a população do mundo, muito vem se falando sobre o futuro a partir desse segmento de evolução tecnológica.

Semelhante à humana, a Inteligência Artificial é exibida por mecanismos ou softwares. Os principais estudiosos do assunto o definem como sendo “o estudo e projeto de agentes inteligentes”, sendo estes sistemas que conseguem perceber e reagir de forma a sempre buscar as maiores possibilidades de sucesso.

Já um dos pais do assunto, John McCarthy, primeiro a usar o termo Inteligência Artificial em 1956, a explica como sendo “a ciência e engenharia de produzir máquinas inteligentes”. Trata-se de uma seção da computação que busca métodos ou dispositivos tecnológicos que tentam se assemelhar à capacidade racional do ser humano de pensar os problemas, tentando resolvê-los de forma inteligente. Há ainda quem a defina como o ramo da computação que estuda o comportamento inteligente, ou melhor, o estudo que tem por objetivo levar os computadores a realizarem atividades que hoje o ser humano ainda faz melhor.

Assim como Sophia, nosso exemplo do início desta matéria que é capaz de interagir com os seres humanos, analisando-os e, assim, tornando-se cada vez mais engenhosa, o principal objetivo dos sistemas de IA é executar tarefas que, quando executadas pelos humanos são consideradas inteligentes. Para citar algumas características básicas desses sistemas, basta pensar na capacidade de raciocínio, aprendizado, reconhecimento de padrões estabelecidos e a capacidade de usar o raciocínio lógico nas atividades do dia a dia, o que chamamos de interferência.

Essa preocupação de um dia as máquinas conseguirem agir como humanos começou logo após o término da Segunda Guerra Mundial, quando o matemático inglês Alan Turing escreveu “Computing Machinery and  Intelligence”, um artigo no qual questionava as possibilidades reais desse tipo de tecnologia concretizar-se. Muitos outros brilhantes estudiosos compartilharam o seu questionamento, como o próprio John McCarthy, entre outros. Mas pode-se dizer que construir máquinas inteligentes é um interesse genuíno da humanidade há muito tempo. Seria piegas citar o megainteressante desenho Os Jetsons, produzido pelos estúdios Hanna-Barbera, entre 1962/1963, em que os autores abordavam justamente essa questão, antecipando um futuro que, para eles, era inevitável?

Outros personagens fictícios surgiram ao longo do tempo atestando as expectativas dos homens de terem similares seus habitando o planeta, só perdendo sua ‘filiação’ divina e sendo construídos pelo próprio homem.

Golem e o Frankestein, Tars (em Interestellar, de 2014), David (em Prometheus, 2010), e até o carismático Edward (de Edward Mãos de Tesoura, 1977) demonstravam a dualidade que o homem traz dentro de si criada pela ambição de criar seres à sua imagem e semelhança, ainda que o medo e falta de perspectiva do que isso pode gerar de problemas possam engessá-lo em determinados momentos com relação à IA.

 

Infinitas possibilidades

Foi somente após as incansáveis descobertas que a capacidade inventiva de Steve Jobs e toda uma geração de gênios trouxeram com o surgimento do computador moderno que a Inteligência Artificial começou a se firmar como ciência de fato, com questionamentos e soluções que podiam sair da esfera do simplesmente teórico. A partir daí, seu desenvolvimento vem evoluindo num crescendo assustador, extrapolando os clássicos programas de xadrez ou englobando áreas como análise, síntese de voz, redes de neurônios artificias, e outros tantos segmentos de tecnologia que ninguém, até então, havia mencionado. A princípio, o objetivo era simplesmente (se é que se possa dizer que isso seja simples…) reproduzir o pensamento humano. Hoje, graças a todos os avanços da computação, muito mais se está conseguindo e, no pé em que estamos, é impossível dizer até onde poderemos chegar.

Fazendo parte dessa evolução tecnológica de levar o homem à superação constante, a ContactOne foi criada e atua hoje no segmento da IA para trazer a cada dia mais soluções para dificuldades que surgem a partir de necessidades humanas que as máquinas podem atender de forma mais rápida, segura e eficiente. Para isso, um time de especialistas se debruça constantemente sobre os problemas dos clientes a fim de descobrir maneiras de fazer nossos robôs não só entenderem, mas principalmente atuarem de forma inteligente para gerar sempre resultados que otimizem a produção e a expertise dos envolvidos.

Qualquer que seja o objetivo da ação tecnológica, a ContactOne tem a equipe certa para encontrar as soluções e implementar as ações necessárias para resolver de forma inequívoca a demanda de empresas que precisam de ágil performance na área de TI.